Seja Sócio
Engenheiro Alencar de Araripe

O nome do Estádio – Engenheiro Alencar Araripe – é uma homenagem ao engenheiro capixaba Delecarliense de Alencar Araripe. Delecarliense foi diretor da Companhia Vale do Rio Doce e, infelizmente, faleceu em outubro de 1964 sem realizar o sonho de ver a inauguração do Monumental. Mesmo assim seu nome foi eternizado, dando nome ao nosso estádio.

A primeira vitória

A data que marcou este dia tão histórico foi 25 de agosto de 1963. O confronto foi contra o Santos, de Aribiri, e saimos vencedores pelo placar de 2 a 1, com gols de Luizinho, aos 02 minutos, e Tamilton, aos 37. Na 2ª etapa, aos 25, Jair descontou para a equipe adversária.

Maior série invicta

De 04 de março de 1967 a 03 de fevereiro de 1968, a Desportiva teve uma série invicta de 51 jogos, sendo 41 oficiais e 10 amistosos

Cara ou Coroa

A Desportiva foi o primeiro time a disputar (e vencer!) um desempate no cara ou coroa no Brasil. Foi em 27 de julho de 1965, no Estádio Governador Bley. Após seguidos empates, o duelo contra Eletrovapo/RJ foi decidido na moeda.

Árbitro vingativo

Antes de uma partida contra o Caxias, no Engenheiro Araripe, em 1972, Sérgio, capitão grená, foi expulso antes do apito inicial. O ábitro Ermenegildo Gave alegou que o atleta cuspiu em sua mão direita.
Mas a verdade foi descoberta pouco tempo depois. Dias antes da partida, Sérgio, que aprendia a dirigir, colidiu na traseira do carro de Ermenegildo e se recusou a arcar com o prejuízo.

Destaque Nacional

A Desportiva é o clube capixaba com maior participação nos Campeonatos Brasileiros. Tanto na Série A, com 15 participações, quanto na Série B, com 13.

Pediu música

Moreira é o jogador com mais gols em uma mesma partida com a camisa da Desportiva. O feito aconteceu em 1967, no Engenheiro Araripe, diante do Castelo. Moreira marcou 5 dos 7 gols na vitória por 7×0, pelo Campeonato Capixaba.

Rei da Primeirona

Quando assunto é série A, Zezinho Bugre é o maior artilheiro, com 19 gols marcados entre os anos de 1973 a 1979. Além disso, Zezinho foi o primeiro jogador a marcar com a camisa da Desportiva por esta competição.

Artilheiro nato

Mario Matador é quem mais marcou gols numa mesma edição nacional. Em 1994 ele anotou 17 gols durante o Brasileirão Série B, onde a Desportiva foi 3º colocado. Antes disso, já havia marcado, também, 17 gols no Campeonato Capixaba daquele ano, não sendo artilheiro da competição por apenas 1 gol, na campanha do título.

A primeira partida internacional

Foi diante da seleção de Gana, em 21 de novembro de 1969, no Engenheiro Alencar Araripe, que a Locomotiva Grená fez sua primeira partida internacional. Sérgio Alonso e Alfredo anotaram para a Desportiva e Jones Attuquair fez para o único gol do time africano.

O gol mais rápido

O gol mais rápido da história do clube traz coinscidencias incríveis: Foi em 15 de novembro de 1998, no Campeonato Brasileiro da Série B. Marcos Roberto, “O Pantera”, precisou de apenas 15 segundos para marcar na vitória por 2×1, sobre o XV de Piracicaba/SP, dentro do Araripe.

Entre o manto e a batina

Em 1974 a Desportiva teve um jogador um tanto quanto incomum em seu elenco. Carlos, que também conferia o título de padre, foi campeão estadual naquele ano pela Locomotiva.

Maior goleada aplicada

A maior goleada aplicada pela Desportiva ocorreu em 29 de junho de 1965: A vítima foi o São Silvano, de Colatina, e o placar foi 11x0.

A partida que não teve fim 1

A partida mais curta da história da Desportiva foi em 1977, contra o Fluminense de Feira de Santana/BA, durante o Brasileiro da Série A. Este fatídico confronto durou apenas 15 minutos. Isso ocorreu pois o time baiano, que já havia forçado a expulsão de 5 jogadores, iniciou simulações de lesões de vários atletas, obrigando o árbitro, Mário Rui de Souza, encerrar o jogo.

A partida que não teve fim 2

Em 27 de fevereiro de 1977, durante a Taça Jones dos Santos Neves, no Engenheiro Araripe, o torcedor grená presenciou a partida ser encerrada aos 30 minutos da etapa inicial. Isso porque o Guarapari, após sofrer duas expulsões, simulou simultâneas lesões de jogadores e abandonou a partida.

Craques tipo exportação

A Desportiva Ferroviária sempre foi uma vitrine para vários craques. Tanto que em 1992 Mauro Soares foi vendido para o Belenenses, de Portugal, concretizando a primeira transferência direta de um clube capixaba para a Europa. Antes disso, no fim da década de 70, Zezinho Bugre foi emprestado ao Sporting de Lisboa, também de Portugal. Ainda nos anos 90, (em 95, para ser mais exato) Welder, outro craque formado na Tiva, também transferiu-se para Portugal, defender o FC Famalicão.

Além das fronteiras

A proximidade do futebol capixaba com o carioca sempre foi muito forte. Prova disso é que o nosso futebol teve início, lá em 1910, com os capixabas que retornavam do Rio de Janeiro à estudo. Além disso, a Desportiva é o único clube capixaba que já derrotou todos os considerados grandes daquele estado: Botafogo, Flamengo, Fluminense e Vasco.

Fio Maravilha

Outra curiosidade é que, em 1973, o galinho Zico, em início de carreira, só não vestiu a camisa grená pois seu técnico, Zagallo, travou a transferência. Em seu lugar veio o icônico Fio Maravilha.

Recorde de Público

A partida da Locomotiva com maior público foi em 1982, contra o Atlético - MG, pelo Campeonato Brasileiro, com 27.232 presentes. Em se tratando de competições estaduais, o jogo contra o Rio Branco, pelo Capixabão de 1985, teve um público de 27.010 pessoas.

Menino de Ouro

No ano de 1980, o jovem Geovani Silva foi responsável por um feito histórico. Ganhou, naquele ano, o Campeonato Estadual nas categorias Júnior, Juvenil e Profissional.